CEE VINHA DE LUZ - LONDRINA / PR

CEE VINHA DE LUZ - LONDRINA / PR

CEE VINHA DE LUZ - LONDRINA / PR



 

 

A colheita é obrigatória

 

Por Antônio Moris Cury

 

 

Jesus, nosso Irmão, nosso Mestre, nosso Amigo de todas as horas (de todas!), sem nenhuma sombra de dúvida, é um fenômeno, de uma capacidade de síntese inigualável, tanto assim que o Seu ensinamento máximo está contido em uma única frase, uma milenar sentença, com a qual resumiu toda a lei e os profetas: Amar a Deus sobre todas as coisas e ao próximo como a si mesmo, que se mantém em pé e absolutamente verdadeira até a atualidade, nada obstante decorridos vários séculos.

 

Foram inúmeros os aconselhamentos, orientações, esclarecimentos, consolos, por parábolas (a fim de tornar mais fácil a compreensão do que falava, tendo em vista as condições de quem O seguia ou simplesmente O ouvia – pessoas muito simples) ou não.

 

Por exemplo: A semeadura é livre, mas a colheita obrigatória. Poucas palavras que muito significam e que expressam a clara realidade, uma vez que colheremos apenas e tão somente aquilo que houvermos semeado. Nada diferente, nada a mais, nada a menos.

 

A evidência é claríssima, mas, por incrível que pareça, nem sempre atentamos para essa verdade irrecusável.

 

Acreditamos que a maioria esmagadora da população terrestre aspire por paz, na mente e no coração, mas, no entanto, nem sempre os esforços são dirigidos para alcançar tal finalidade. Quantas e quantas vezes agimos por impulso, intempestivamente, desestabilizando o ambiente à nossa volta, simplesmente porque não o freamos, tornando-nos intolerantes, com baixo nível de compreensão, e até mesmo agressivos, verbalmente, de modo lamentável por todos os títulos.

 

Em outras oportunidades, se alguém se dirige a nós de maneira agressiva, aos gritos, nós, ao invés de nos mantermos calmos e de respondermos em outro tom, respeitoso e respeitador, desatamos a falar na mesma faixa vibracional do irritado interlocutor, esquecendo-nos por completo de que tal comportamento em nada contribui para o bom entendimento, para a conversa urbana e civilizada, como era de se esperar.

 

E assim há inúmeros exemplos. Genericamente, importante reproduzir aqui o texto de Carlos Juliano Torres Pastorino sobre este assunto1Não se desespere diante das dificuldades.

 

Colhemos aquilo que plantamos.

 

 Somos escravos do ontem, mas somos donos de nosso amanhã.

 

Se construiu um presente doloroso, fique alerta, para construir um futuro alegre, saudável, no qual possamos colher os frutos do amor e da felicidade sem limites.

 

Faça o bem de todas as formas, para preparar um futuro melhor.

 

Examinemos o texto. Não se desespere diante das dificuldades. Corretíssimo e oportuno tal aconselhamento. Ao contrário do que possa parecer, as dificuldades, as tribulações, os problemas, fazem parte do dia a dia de quem esta existência habita a Terra, visto que este planeta é de provas e de expiações, de categoria inferior no Universo, onde predominam o mal e a imperfeição, ainda, de tal sorte que as dificuldades fazem parte integrante e inseparável de quem aqui agora se encontra. E não há razão para desesperar, quando menos porque o desespero nada resolve.

 

Somos escravos do ontem, mas somos donos de nosso amanhã. Exatamente. O ontem, o passado, não se modifica e de nada adianta ficar remoendo o que está para trás. Bastante óbvio, mas quantas vezes não enxergamos isto. Há aqui também um formidável contraponto: Somos donos de nosso amanhã, o que significa dizer, em outras palavras, que o nosso amanhã depende de nós, exclusivamente, ou seja, o amanhã será bom, ou não, na dependência direta da semeadura que fizermos hoje, razão pela qual pode-se deduzir que o destino está em nossas mãos, bastando que tenhamos vontade.

 

Lembremos do que disse Léon Denis, um dos clássicos da veneranda Doutrina Espírita2A vontade é a maior de todas as potências; é, em sua ação, compatível ao imã. A vontade de viver, de desenvolver em nós a vida, atrai-nos novos recursos vitais; tal é o segredo da lei de evolução. A vontade pode atuar com intensidade sobre o corpo fluídico, ativar-lhe as vibrações e, por esta forma, apropriá-lo a um modo cada vez mais elevado de sensações, prepará-lo para mais alto grau de existência.

 

 O princípio de evolução não está na matéria, está na vontade, cuja ação tanto se estende à ordem invisível das coisas como à ordem visível e material. Esta é simplesmente a consequência daquela. O princípio superior, o motor da existência, é a vontade. A Vontade Divina é o supremo motor da Vida Universal.

 

Se temos vontade, fazemos. Se queremos, realizamos. Por este motivo, a sabedoria popular, fruto de longa e aguda observação do cotidiano, construiu a expressão: Querer é poder.

 

Faça o bem de todas as formas, para preparar um futuro melhor. Perfeito. Consideramos a prática do bem um dos maiores segredos da Vida; fazer o bem não tem qualquer contraindicação; fazer o bem faz bem; quem sempre pratica o bem está com a sua consciência tranquila, leve, e com todas as condições de desfrutar de paz, muita paz, na mente e especialmente no coração.

 

Emmanuel, o mentor espiritual de Francisco Cândido Xavier, nosso Chico Xavier, foi contundente3O bem é o único dissolvente do mal, em todos os setores, revelando forças diferentes.   Vale muito a pena repetir para enfatizar e memorizar: O bem é o único dissolvente do mal, em todos os setores.

 

Não percamos a oportunidade de começar ou de recomeçar. Optemos pelo bem, sempre, em qualquer situação ou circunstância, sem um átimo de hesitação, e jamais nos arrependeremos.

 

 

 

Referências:

1-PASTORINO, C. Torres. Minutos de sabedoria. 15. ed. Rio de Janeiro: Sabedoria. cap. 168.

2-DENIS, Léon. O problema do ser, do destino e da dor. 10. ed. Rio de Janeiro: FEB, 1977. pt. 3, cap. XX.

3-XAVIER, Francisco Cândido. Vinha de luz. Pelo Espírito Emmanuel. 27. ed. Rio de Janeiro: FEB, 2008. cap. 62.

4. JORNAL MUNDO ESPÍRITA, ed. março de 2018. Fed. Esp. do Paraná.